A realidade virtual está virando realidade: entenda os efeitos no dia-a-dia das pessoas

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Tempo de Leitura: 2 minutos

A realidade virtual é uma tendência que não para de crescer. O próximo passo da revolução tecnológica pode ampliar muito o que consideramos como conectividade. Entenda.

Hoje, pessoas de todas as culturas contam com computadores centenas de vezes mais sofisticados do que os primeiros equipamentos criados no séc XX. E o mais impressionante: os dispositivos estão em seus bolsos, nas mesas de jantar e, basicamente, em toda situação. 

Os celulares revolucionaram muito nossas vidas. Hoje, fazem parte do trabalho, das famílias, do lazer e das obrigações. Eles são o centro de uma nova forma de relacionamento que não se baseia na proximidade física, ampliando as possibilidades no campo virtual. 

Agora, você já imaginou se além do acesso por meio das telas, pudéssemos imergir em mundos virtuais em dispositivos “usáveis”? Essa é a promessa que a realidade aumentada e virtual está fazendo acontecer diante dos nossos olhos, literalmentes.

Wearables: o planeta ciborgue

O conceito de ciborgue é muito interessante mas também mal-compreendido. No imaginário coletivo, um ciborgue figura como uma pessoa que utiliza um braço mecânico ou alguma prótese robótica que relembre a estética de um filme como “O Exterminador do Futuro”. 

Na verdade, a ideia do ciborgue é muito mais ampla e pode ser definida simplesmente pela simbiose entre homem e máquina, em uma co-dependência. Décadas atrás vivíamos sem celulares e o mundo era outro; mas experimente hoje, perder o dispositivo significa não conseguir trabalhar, contactar familiares ou manter atividades diárias. 

Os Wearables – dispositivos inteligentes e usáveis no corpo – adicionam um pouco mais de estética e conforto para a realidade ciborgue. Um exemplo são os relógios inteligentes, uma invenção que inovou ao trazer o dispositivo para o braço, sempre visível, além de poder registrar e monitorar o funcionamento do corpo e até ajudar no cuidado com a saúde e no desempenho físico. 

A ampliação do uso dos óculos de realidade virtual e aumentada leva a realidade ciborgue ainda mais à frente. Graças a essas tecnologias, será possível imergir na realidade com uma visão amplamente conectada, com informações em tempo real a respeito do que se olha e do que se faz. 

Além disso, a interface atrelada ao rosto permite entrar em mundos totalmente novos e cujas possibilidades sociais, interativas e produtivas ainda foram apenas esboçadas em suas imensas capacidades criativas. Tudo ligado diretamente às sensações corporais e motoras. 

IOT: O planeta conectado

Os óculos e dispositivos wearable para Realidade Virtual e Aumentada prometem alavancar ainda mais uma das tendências tecnológicas atuais: a Internet das Coisas. 

Pra quem não sabe, a IOT (Internet Of Things) visualiza um mundo em que os objetos estejam devidamente conectados na rede, informando em tempo real acontecimentos localizados. O uso da tecnologia já é comum em empresas que utilizam sensores para economizar energia, água ou apenas para identificar onde estão pessoas e objetos. 

A ampliação do uso de óculos de Realidade Virtual pode expandir muito o desenvolvimento dessa tecnologia. A explicação é simples: graças às câmeras instalados nos óculos, o dispositivo poderá ver o que você vê.

Ao abrir a geladeira, por exemplo, sensores internos poderão identificar alimentos que estão acabando e mostrar a informação direto em seu óculos, até mesmo adiantando a sua vida e realizando um pedido direto com uma loja varejista e apenas confirmando contigo o valor e a data de entrega do que falta.

O futuro da realidade virtual promete casas, objetos e cidades inteligentes e muito mais. Basta imaginar!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das novidades e promoções

Relacionados

Notícias

Porque a realidade aumentada vai matar o holograma?

Tempo de Leitura: 2 minutos A busca pelos hologramas é um dos sonhos mais aguardados por quem acompanha filmes de ficção científica. Apesar do pouco sucesso das tecnologias holográficas existentes,

Pronto para conversar?